Alopecia androgênica: a doença dos carecas

A alopecia androgênica ou androgenética é a causa mais comum de calvície no mundo, principalmente entre os homens. Tanto a herança gênica materna quanto a paterna podem influenciar na queda capilar, dessa forma, o lado genético materno também é responsável pela transmissão de uma das partes da estatística genética da queda capilar, pois o cromossomo X é transmitido ao indivíduo pela mulher.

Alopecia androgenética em homens

Na figura a seguir, vemos o padrão típico de desenvolvimento da alopecia androgenética em homens: a falta de cabelos se inicia na zona frontal, com o aparecimento das famosas entradas, depois evolui para a zona da croa, até casos onde sobram fios apenas na região occipital e nas têmporas, menos propensas à queda.

alopecia-androgenica-em-homens

Alopecia androgenética em mulheres

Na figura abaixo vemos o quadro evolutivo da doença em mulheres, repare como seu desenvolvimento se dá de forma diferente ao que ocorre com os homens.

alopecia-androgenica-em-mulheres

De acordo com a imagem acima, nos graus 1 e 2 pode-se verificar uma queda mais difusa distribuída em uma linha média. O que ocorre na maioria dos casos é uma diminuição da densidade capilar, que normalmente inicia-se na zona frontal e se estende até o topo da cabeça. É muito raro casos de mulheres que fiquem totalmente sem cabelo na região frontal. Leia mais em: http://calvicie.club/alopecia-androgenetica.

Alopecia areata

A alopecia areata é uma doença auto-imune causada por anticorpos que destroem os folículos capilares. Geralmente ela se manifesta de forma mais complexa em mulheres, pois nestas, a ação dos androgênios ocorre de maneira diferente.

Existe cura para a calvície de origem genética?

Os tratamentos para a calvície dependem prioritariamente de como ela foi originada. Hoje, sabe-se que existem mais de 200 causas possíveis para a queda capilar, como às decorrentes de doenças auto-imunes, como o lupulus, ou ainda o próprio desequilíbrio hormonal, que pode intensificar o eflúvio telógeno. Para saber mais a respeito, leia o artigo a seguir que trata sobre as causas da queda de cabelo.

No caso da alopecia androgenética, ainda não há um tratamento clínico que possa curá-la. Ademais, o que ocorre na maioria dos casos é que, quando as pessoas procuram por ajuda médica, a calvície já está em um estágio mais avançado, o que acaba deixando os tratamentos mais complexos. Assim, o recomendado é tratá-la o mais precocemente possível. Porém, mesmo para graus mais críticos, ainda há esperança para os carecas, trata-se da intervenção cirúrgica conhecida como transplante ou microtransplante capilar.

Microtransplante capilar

Para casos em que o indivíduo tenha propensão genética à calvície, existem hoje alguns tratamentos para se retardar a queda capilar, porém, a solução de fato é dada apenas pelo microtransplante capilar. Nele,  é feita a extração de folículos das zonas menos propensas à queda capilar, como a oxipital, localizada atrás da nuca, ou as zonas temporais, localizadas nas laterais da cabeça, para as áreas onde existe falta de cabelo. Esses folículos são retirados um a um, e recolocados nas áreas a serem preenchidas. Em resumo, o microtransplante capilar consiste no transplante de fios situados em uma região que não tem propensão para queda para áreas atingidas pela alopecia.

Apesar desse tratamento funcionar para praticamente qualquer tipo de pessoa, há de se ter em mente que a calvície é um processo evolutivo, e por isso, mesmo corrigindo as zonas onde já se deu a queda, os cabelos remanescentes ainda poderão cair, e daí pode haver a necessidade de, no futuro, a pessoa ter de recorrer a um novo transplante capilar.

Follixin

O Follixin é um polivitamínico natural que traz nutrientes fundamentais para o cabelo, como biotina, ácido fólico e colina, além de contar com uma cadeia de 16 aminoácidos que promovem uma melhor absorção desses nutrientes pelo organismo, aumentando o espessamento dos fios e retardando a queda capilar, além de ter a grande vantagem de não provocar efeitos colaterais, como ocorre com medicamentos como a Finasterida, cujo princípio ativo se baseia na redução de dihidrotestosterona no organismo (DHT). Clique aqui para saber mais sobre o Follixin.