Tudo sobre o microtransplante capilar

Um jeito simples de averiguar se sua queda capilar é ou não um problema

A queda de cabelos de até 150 fios por dia é considerada normal. Algumas pessoas acabam dando uma importância desnecessária para isso, e dessa forma podem até mesmo aumentar a queda capilar, e aí sim terem algo realmente preocupante.

Para se distinguir uma queda capilar fisiológica de um problema real de calvície, há um artifício chamado “pull teste”, nele o indivíduo deve puxar com uma intensidade moderada alguns tufos de seu cabelo em regiões onde supostamente esteja ocorrendo a queda capilar. Se os fios que se desprenderam estiverem sem a raiz, normalmente essa queda não é definitiva. Na análise deve ser levada em conta também a influência sazonal, já que, o outono, por exemplo, é uma estação mais propícia para a queda de cabelos. Apesar deste teste ser muito simples de ser feito, ele é bastante impreciso.

Qual a diferença entre implante capilar e transplante capilar

As pessoas erroneamente associam o termo implante capilar como sinônimo de transplante capilar, na verdade, o implante capilar se refere à implantação no couro cabeludo de fios produzidos artificialmente, enquanto que o transplante capilar consiste na implantação fios retirados do próprio paciente, ou seja, o doador é também o receptor. Portanto, a nomenclatura mais adequada é a de transplante capilar.

Qual é o melhor momento para fazer um transplante capilar?

Não há um momento exato para se realizar um transplante capilar, tudo depende do desejo do paciente, porém, para os homens, geralmente a calvície começa a incomodar mais a partir do grau 3 (escala de Hamilton-Norwood), apesar de nesta fase ela ainda poder ser pouco perceptível para as pessoas ao redor do indivíduo que está perdendo cabelos. Normalmente, para homens com grau 3 de calvície, o cabelo poderá voltar a ter sua densidade original de fios com 1 ou 2 sessões de transplante capilar. Já para calvícies em estágios mais avançados, como graus 6 ou 7, é preciso ter em mente que muito provavelmente serão necessárias mais do que 2 sessões para atingir bons resultados, mas mesmo nesses casos é possível voltar a ter uma cabeleira vistosa, desde que haja uma região doadora de fios para possibilitar o transplante.

FUE: o que é e como é feito

A técnica Follicular Unit Extraction, ou simplesmente FUE, consiste na extração de folículos capilares um a um por meio de uma caneta especial, e posterior separação destes em agrupamentos contendo 1, 2, 3 ou 4 até fios, por fim, dá-se a implantação dessas unidades foliculares em áreas receptoras.

A cirurgia demora em torno de 6h a 8h para ser concluída, e é indolor, desde que seja feita sob anestesia local. O procedimento não necessita que sejam feitos pontos para fechar os locais onde os cabelos foram transplantados e normalmente não deixa cicatrizes perceptíveis.

Normalmente quando um paciente lança mão de um tratamento como a FUE, são geradas grandes expectativas, e para elas serem atendidas, o ideal é que se procure um médico experiente e que tenha pleno domínio sobre a técnica, para que assim sejam maximizadas as probabilidades de obtenção de um resultado natural.

Um cabelo transplantado nunca mais irá cair, salvo algumas raras situações que possam ocorrer após a cirurgia, como a realização de um tratamento quimioterápico, porém, nesse caso, a queda tende a ser temporária e afetará mesmo os fios não implantados.

Pós-operatório

A grande vantagem da FUE em relação às outras técnicas de transplante capilar é a possibilidade de rapidamente a pessoa retornar seus afazeres, normalmente são necessários apenas 2 ou 3 dias de repouso, porém, se houver urgência, até mesmo logo após a cirurgia o indivíduo já poderá voltar a trabalhar ou cumprir outros compromissos, entretanto, isso não é aconselhável, tendo em vista a ocorrência de um processo inflamatório no couro cabeludo.

No pós-operatório devem ser evitados hábitos nocivos, como fumar, além de ser importante a hidratação com soro fisiológico das áreas transplantadas, e o uso de um anti-séptico, como o Betadine. Apesar de raros, há casos em que podem ocorrer infecções após a cirurgia, além do aparecimento de pústulas e encravamento de pelos nas regiões onde os folículos foram extraídos. Porém, se forem cumpridos todos os cuidados pré-estabelecidos, as possibilidade de complicação são pequenas.

Quantas sessões são necessárias?

Não é possível estimar quantas sessões serão necessárias sem que antes seja analisado quanto de cabelo o paciente já perdeu. O indicado é que o indivíduo não deixe a calvície progredir para estágios mais avançados, já que, nesse caso, para alcançar melhores resultados provavelmente serão necessárias 2 ou mais sessões.

Quem não pode fazer FUE?

Devido a ser uma técnica pouco invasiva, quase todas as pessoas podem realizar a FUE, até mesmo quem tem diabetes ou hipertensão, porém, caso o paciente faça uso de medicamentos, eles deverão passar por uma análise prévia pela equipe médica para haver a certificação de que não surgirão problemas futuros.

Transplante capilar: fotos de antes e depois

antes-do-transplante-capilar

depois-do-transplante-capilar-01

depois-do-transplante-capilar-02

fue-antes-e-depois

fue-resultados

E então, o que achou?

Gostou do texto? Ainda tem dúvidas? Sentiu falta de alguma informação? Você foi diagnosticado com calvície? Está pensando em realizar um transplante capilar? Tem algum receio com relação à cirurgia? Conte pra gente nos comentários.

Leave a Reply

Your email address will not be published.